Minimalismo, ecologia e nós

Minimalismo é uma palavra muito ouvida e falada nos últimos tempos. Mas o que é o Minimalisto?

Minimalismo significa procurar alternativas para uma vida mais equilibrada em conexão connosco, com os outros e com a Natureza. Significa viver para além do consumismo de bens materiais.

O minimalismo é um processo interno, em que nós próprios nos alinhamos com o que realmente é importante para a nossa vida, portanto não é um conceito com regras definidas, cada pessoa sente o que é realmente importante para si.

Minimalismo não é uma casa de estilo nórdico, com móveis brancos e poucos quadros pendurados. Minimalismo é focar o que é essencial para a nossa vida e eliminar o ruído. Quando começamos a pensar numa vida mais minimalista começamos a questionar algumas das nossas escolhas e decisões e passamos a olhar para o seu impacto de uma nova forma.

O consumo começa a ser olhado com novos olhos. A aquisição de bens materiais só é feita a coisas que acrescentem valor à nossa vida. E é com este principio que me fui tornando numa pessoa mais consciente do nosso impacto na Natureza e no Planeta em geral.

Leia também o artigo 

Não sou propriamente minimalista, mas cá em casa começamos à mais ou menos seis/sete anos, a pensar antes de comprar, a optar por peças de roupa que possam durar em vez das peças de fast fashion, e só comprarmos uma nova quando uma já não está em condições ou quando é mesmo necessário; a não encher a casa com artigos de decoração que só roubam tempo para arrumar e limpar; e a destralhar o que já está a mais e que não nos é útil.

Temos consciência que ainda temos muito para mudar, mas cá por casa tentamos cada vez mais limpar a nossa vida de tralha, produzir menos lixo, eliminar artigos feitos de plástico, em especial os artigos descartáveis e alimentos embalados em plástico, consumir produtos locais e de época, arranjar os objectos e remendar peças de roupa (possíveis de ser remendadas).

Sei que se todos nós mudássemos um pouco, se valorizássemos menos os bens materiais, olhássemos mais à nossa volta e menos ao nosso umbigo, este seria um mundo melhor para os nossos netos.

Photo by Henry Be on Unsplash

Pode também gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *